Maxixada

Publicado por em jun 21, 2010 em Receitas, Salgados | 5 comentários

Maxixada da Quinta da Aroeira. Foto: Adriana LucenaO MAXIXE foi uma das maravilhas trazidas pelos africanos para nossa terra.  Adaptou-se maravilhosamente ao semi-árido onde nasce espontaneamente: basta cair umas gotinhas de chuva.  Faz parte do cardápio de qualquer sertanejo, pois é fácil de colher, não precisa de nenhum trato ou cultivo e encontra-se como mato!

Também no semi-árido existia (o verbo no passado está certo!) um tomatinho que subia nas cercas e nos arbustos chamado popularmente de “tomatinho de burro” – nome dado pela preferência daquele animal ao fruto miúdo e dulcíssimo. Não existe mais com tanta freqüência e já sumiu até em alguns lugares.  Imagino que ele tenha dado origem ao que hoje conhecemos como “tomate cereja” – coisa de laboratórios e seleções um tanto perniciosas…  porém o sabor e a textura são incomparáveis.

Tá certo! Pode me xingar porque você não vai conseguir tomatinho de burro para esta receita, mas é minha obrigação contar a historia e a receita original.

Por fim, se junta a nata, tempero obrigatório neste sertão pecuário por excelência e vocação. Vamos à receita:

  • 1Kg de maxixes pequenos – apenas os muito verdes, pois os amarelados (mais velhos) ficam fibrosos com sabor ruim.
  • 2 colheres (sopa) de manteiga da terra
    2 cebolas miudamente picadas
  • 10 tomatinhos de burro cortados em 4
  • 2 dentes de alho amassados ou picados
  • 1 colher (sobremesa) de colorau
  • coentro a gosto (se não gosta, não substitua por salsa… vai amargar….)
  • ½ xícara (chá) de nata
  • sal o quanto baste

Limpe os maxixes raspando as saliências e corte-os em fatias finas. Faça um refogado com a manteiga, as cebolas, o alho e os tomates. Agregue o maxixe e o colorau e mexa ligeiramente.  Regue com um copo de água, tempere com sal a gosto, baixe o fogo e tampe a panela. Cozinhe por aproximadamente 20 minutos, acrescente o coentro e a nata, mexendo com cuidado. Sirva imediatamente.

__________________________________________

Adriana Lucena é advogada por formação, matuta por opção e cozinheira por vocação. Vivente de uma casa de taipa em Jandaíra/RN (Quinta da Aroeira), produz pimentas, é Chef de cozinha, líder do Convivium Slow Food Potiguar e membro da Comissão Brasileira da Arca do Gosto.

Share on TwitterShare on Tumblr

5 Comentários

  1. Eita Cabrita arretada! Tem conversa pra botar bode na chuva! Essa receita degustamos na Quinta da Aroeira, desfrutando dos prazeres e delicias do semi-árido que só Dri sabe fazer…

  2. Eu adoro essa vivente…menina essa maxixada tem cara de levantar defunto!Maxixe tambem fica bom cortado finíssimo junto com fatias da mesma finura no estilo carpaccio e molho agridoce de pimenta…

  3. ADRIANA: Nome forte de uma mulher guerreira que faz da arte da cozinha um delicioso jeito de viver feliz e levar felicidade para outras pessoas. Meu marido Edmilson Monteiro ama de paixão maxixe e a tal maxixada em especial. Ultimamente ele contraiu uma bactéria passou sete (7) dias internado tomando medicações fortíssimas, mas para glória de Deus saiu ileso da enfermidade. Porque estou te falando isso, eu preciso me virar nos 30 para fazer uma comidinha especial com gosto mesmo de caseira pois o apetite dele não anda bem. Pra isso além do meu carinho procuro ajuda na net. E esta receita muito deliciosa me ajudou muito. Ele amou e eu lógico contei que você me ensinou. Agradeço de coração e desejo muito sucesso em tudo que suas mãos tocarem. Deus te abençoe. Um Xero. Cristina

  4. Eita, Cristina, que fiquei muito feliz e emocionada ao ler seu post!!!
    Para completar no tratamento de seu amado, faça uma “água de arroz vermelho” assim:

    3 litros de água, uma colher de sobremesa rasa de sal e 1/2 kg de arroz vermelho (ou da terra como chamamos no nordeste). Leve ao fogo muito baixo por 2 horas, com panela tampada, mexendo sempre e verificando se a água está evaporando para repor. Vai ficar um caldinho grosso que deve ser bebido morno.Guarde o arroz pra fazer bolinhos ou usar em sopinha de legumes.
    É “fortificante” e um conforto também par a alma…
    qualquer coisa pode falar que estou às ordens!
    SAÚDE, PAZ E LUZ PRA VOCES!!! com carinho, adriana

  5. Dry, vou lá comer, viuW

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>